segunda-feira, dezembro 12, 2005

Capítulo 7

Até que enfim!

Ouviu-se um estalido fininho... e um silêncio enooorme na platéia.
O cadeado quebrou e a tampa do baú se abriu, num salto.
Todo mundo chegou tão perto prá espiar, que nem dava pro pai de Guilherme se mexer.
Aí, a Clara deu um chilique:
- ÕÔ gente, chega pra lá! Vocês vão sufocar meu pai.
Então o pessoal se afastou.Mas só um pouquinho.E o pai de Guilherme começou a mexer no baú.
Encontrou uma coisa pequena, embrulhada num tecido que já estava um pouco desmanchado, e que parecia ter sido um veludo azul.
Foi tirando o tecido e encontrou umas coisas bem diferentes: um papel muito amarelado, bem enroladinho,e um saquinho de tecido, já se desmanchando, com um broche com uma pedra vermelha, um anel dourado também com uma pedra vermelha e um cacho de cabelos louros.
O que significaria tudo aquilo? Todo mundo estava espantado